4 de abril de 2011

VÔO 477 DA AIR FRANCE

Em 31 de maio de 2009 o voo AF 447 da Air France, que fazia o trajeto Rio-Paris, desapareceu dos radares com 228 pessoas a bordo. Somente 50 corpos foram encontrados logo após o desastre, mas agora, com uma nova fase de buscas, o governo francês descobriu novos restos do avião e vários corpos junto da fuselagem.

A descoberta foi feita com o auxílio de submarinos e o governo francês pretende resgatar os corpos encontrados e as peças do avião, esperando encontrar a caixa-preta do voo e descobrir qual foi a causa do acidente.

A descoberta da fuselagem ocorreu pouco após o início da quarta fase de buscas do avião, no dia 25 de março, em uma nova área de 10 mil quilômetros quadrados que não havia sido vasculhada até então. As buscas estão sendo feitas pelo Escritório de Investigação e Análises da França (BEA, na sigla em francês).

Foto de uma das asas do avião

Foto do trem de pouso do avião, inteiro e conservado

O motor do avião quase inteiro

Parte da fuselagem onde foram encontrados diversos corpos

Outra parte inteira do trem de pouso

Os peritos informaram que como o barco americano Alucia, utilizado atualmente nas buscas, não está equipado para retirar a fuselagem do oceano, uma nova expedição será iniciada nas próximas semanas para resgatar os destroços e os corpos. Ainda de acordo com os peritos, os corpos no interior do avião podem vir a ser identificados.

Os investigadores do BEA não têm certeza, no entanto, se as caixas-pretas, caso sejam encontradas, estarão conservadas o suficiente para que os dados técnicos gravados e as conversas dos pilotos possam ser analisadas. As caixas-pretas estão mergulhadas há quase dois anos. É preciso encontrá-las e que elas estejam em estado de funcionamento.

Até o momento, o BEA afirma que os sensores de velocidade do avião, os chamados tubos Pitot, são um dos elementos que provocaram problemas no avião, mas não a causa do acidente

Nenhum comentário:

Postar um comentário