24 de setembro de 2011

SATÉLITE CAIU NA TERRA

A agência espacial norte-americana (NASA) confirmou neste sábado (24) que o Satélite de Pesquisa da Atmosfera Superior Terrestre (UARS, sigla em inglês) se desfragmentou na atmosfera, com parte dos destroços caindo em solo terrestre durante o início da madrugada.

Desenho do Satélite UARS

Restos do satélite atingiram a superfície da Terra entre 0h23 e 2h09 (horário de Brasília), segundo a Nasa. O satélite estava passando sobre Canadá e África, assim como sobre vastas zonas dos oceanos Pacífico, Atlântico e Índico. A NASA ainda não consegue dizer os locais exatos onde as peças do UARS aterrisaram.

Com quase seis toneladas de peso, o aparelho foi lançado pela Nasa há 20 anos. Desativado em 2005, o equipamento foi se aproximando da Terra por conta da ação solar e da gravidade do planeta. A Nasa esperava que o satélite se fragmentasse em 26 pedaços, com pesos variando entre 1 kg e 158 kg.

O UARS foi o maior satélite da Nasa a cair sobre a superfície terrestre depois do Skylab, que se precipitou na zona ocidental da Austrália em 1979.

Depois da queda do satélite Uars, da agência espacial norte-americana (NASA), o satélite alemão desativado Rosat pode ser outro "defunto" espacial a atingir a Terra entre outubro e novembro de 2011.

Desenho do Satélite Rosat

Lançado ao espaço em 1990, o satélite da agência aeroespacial alemã (DLR, na sigla em alemão) foi usado durante oito anos para observações de estrelas, nebulosas e galáxias com raios X. Segundo a Nasa, a chance de algum pedaço do Uars causar dano ou machucar alguém era de uma em 3.200. No caso do Rosat, esta probabilidade seria de uma em 2.000.

O risco está nos painéis que equipam o aparelho, produzidos para suportar as altas temperaturas que poderiam danificar as operações dos cientistas durante a década de 1990, quando o equipamento funcionou.

A agência espacial alemã estima que cerca de 30 pedaços do satélite podem atingir o solo terrestre, com um total de 1,6 tonelada. Outros 800 quilos devem ser "queimados" durante o retorno do satélite à atmosfera do planeta.

No caso da Uars, apenas 532 quilos devem escapar da "fornalha" atmosférica, produzindo 26 fragmentos do instrumento desativado em 2005 - um dos pedaços pode chegar a pesar até 150 quilos.

Apesar do alerta, o serviço norte-americano de monitoramento de objetos espaciais (em inglês) que entram novamente na atmosfera terrestre ainda não lista a data possível da chegada do ROSAT, já que ainda não está claro quando o satélite deverá penetrar novamente no planeta.

AGORA A GENTE TAMBÉM TEM QUE DESVIAR
DO QUE VEM DOS CÉUS!!!

Nenhum comentário:

Postar um comentário